News details

Read the full story here
grito_site

GRITO DOS EXCLUÍDOS: O povo da rua não é lixo!

No dia 7 de setembro, movimentos populares saem às ruas em diversas cidades brasileiras para denunciar a exclusão social causada pelo sistema capitalista. É o Grito dos Excluídos que promove um conjunto de ações variadas  desde 1995.

Em São Paulo, a concentração será às 9h na Praça da Sé e por volta  das 10h os participantes saem em caminhada até a Praça Princesa Isabel. Neste ano, frente aos ataques a direitos sociais promovidos pelo governo golpista de Michel Temer e crescimento de ações fascistas, o Grito dos Excluídos tem como lema: “Vida em primeiro lugar: Por direitos e democracia, a luta é todo dia!”

As manifestações em todo o Brasil levarão  as seguintes bandeiras:

  • Pela anulação das reformas e contra o desmonte da previdência
  • Contra a criminalização dos movimentos e do povo pobre da periferia
  • Povo da rua não é lixo. Contra a higienização de Dória. Pela liberdade e pela vida
  • Contra a privatização da cidade e do país.

 

FORA TEMER

Nenhuma Família Sem Teto,
Nenhum Camponês Sem Terra,
Nenhum Trabalhador sem Direitos.

 

CONFIRA O TEXTO DOBRE ESTA EDIÇÃO 2017 DO GRITO DOS EXCLUÍDOS, PUBLICADO NO SITE DA INTERSINDICAL CENTRAL DA CLASSE TRABALHADORA:

Polícia leva cobertores e materiais de trabalho de quem dorme na rua desde que iniciou a gestão. A população de rua recebe jatos de água na madrugada mais fria do ano. Guarda Civil tenta impedir distribuição de sopa quente para moradores de rua e dependentes químicos no dia seguinte.

Repressão violenta em cima. O atendimento de assistência social será reduzido de 14 para 9 horas por dia e cerca 400 assistentes sociais serão demitidos.

São políticas discriminatórias e racistas. Cortam o atendimento à parcela mais significativa da população, que é o povo pobre e negro.

A vida não é mercadoria
Educação, saúde, moradia e transporte não são mercadorias!

Bibliotecas e brinquedotecas fechadas em 33 escolas municipais de São Paulo. Escolas viram um verdadeiro depósito de crianças.

Dória retira os serviços públicos conquistados pelas mulheres, fecha os centros de referência, casas abrigos e serviços específicos relativos à violência contra a mulher. Alckmin terceiriza bilheterias do metrô, tira direitos dos trabalhadores e prevê entregar linhas do metrô para a iniciativa privada no final de setembro. Com o transporte privatizado, diminuirá cada vez mais o acesso da população pobre. Alckmin fecha salas de aula, principalmente as de EJA.

Temer congelou os gastos com educação, saúde, assistência social e previdência. E ameaça acabar com a aposentadoria de grande parte do povo.

Está sendo cortado o acesso da população à Saúde, na Educação, na Cultura, ao passe livre estudantil, a remédios e a serviços de assistência social. E para as empresas, os governos perdoam dívidas e dão o patrimônio público, para que possam explorar.

Nenhum trabalhador sem direitos
Nas três esferas – cidade, estado, país – os governos privatizam os serviços, os espaços públicos e sucatear os serviços de educação e saúde. É a lógica da política do governo ilegítimo, com a reforma trabalhista, corte de investimentos na saúde, educação, assistência social, desmonte da previdência, matança de sem terras e de indígenas para poder entregar as terras aos empresários, banqueiros, ao agronegócio.

O objetivo é o mesmo: fazer com que 1% da população aumente cada vez mais seus lucros, à custa da exploração de quem tudo produz.

É baixar os salários através do desemprego, de empregos cada vez mais precários, descartar quem já está doente ou está velho demais para dar lucro e aí desviar os recursos públicos que seriam das políticas sociais para as empresas.

Este sistema que explora os trabalhadores. Envenena e degrada o meio ambiente. Exclui e manda para a morte indígenas e sem-terras.

Capitalismo mata! Morte ao capitalismo

Pela anulação das reformas e contra o desmonte da previdência

Contra a criminalização dos movimentos e do povo pobre da periferia

Povo da rua não é lixo. Contra a higienização de Dória. Pela liberdade e pela vida!

Contra a privatização da cidade e do país.

FORA TEMER.

Nenhuma Família Sem Teto,
Nenhum Camponês Sem Terra,
Nenhum Trabalhador sem Direitos.

Grito dos Excluídos 2017: 7 de setembro em diversas cidades do Brasil!

 

Saiba mais:

O Grito dos Excluídos é uma manifestação popular carregada de simbolismo, é um espaço de animação e profecia, sempre aberto e plural de pessoas, grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos com as causas dos excluídos. O Grito é uma descoberta, uma vez que agentes e lideranças apenas abrem um canal para que o Grito sufocado venha a público.

O Grito brota do chão e encontra em seus organizadores suficiente sensibilidade para dar-lhe forma e visibilidade. O Grito não tem um “dono”, não é da Igreja, do Sindicato, da Pastoral; não se caracteriza por discursos de lideranças, nem pela centralização dos seus atos; o ecumenismo é vivido na prática das lutas, pois entendemos que os momentos e celebrações ecumênicas são importantes para fortalecer o compromisso.

 

POST COMMENT

TESTE

Desenvolvido por Lógica Digital

© 2016 Químicos Unificados