News details

Read the full story here
2Nilza_sindicato_greve geral

Aquecimento para a Greve Geral! Dirigente do Unificados fala sobre preparação dos Químicos para a próxima sexta

Dia 14 de junho, sexta-feira, a classe trabalhadora estará nas ruas para lutar contra o fim da aposentadoria. Em entrevista ao site da Intersindical, Nilza Pereira, dirigente do sindicato e Secretária de Comunicação da Fetquim, fala sobre as expectativas para a Greve Geral

Intersindical: Qual a importância da Greve Geral para os químicos?
Nilza Pereira: A greve geral e o combate contra o fim da aposentadoria são fundamentais, porque somos uma categoria que vive em ambiente insalubre, perigoso, com jornadas exaustivas…
E tem a questão do desemprego, porque há muita rotatividade. Essas pessoas ficam muito tempo fora do mercado do trabalho e normalmente já se aposentam mais tarde, por ficar sem contribuir à Previdência enquanto procuram um novo emprego.
Agora, aumentando o tempo de serviço e a idade mínima, essas pessoas vão morrer de trabalhar. Então, a importância da luta em defesa da Previdência, contra essa reforma, ou qualquer outra que tire direitos dos trabalhadores, é fundamental.

Intersindical: Como será a participação da categoria química na greve?

Nilza: A participação dos químicos, particularmente em Osasco, onde as fábricas são muito dispersas, depende, em grande medida, da adesão dos trabalhadores do transporte e da paralisação de rodovias. Porque, nesta conjuntura de desemprego, os trabalhadores temem muito.
Nós vamos fazer assembleia no dia 14 de junho, mas não deve haver uma paralisação geral movida pelo sindicato. Vai haver uma paralisação geral movida pela conjuntura do Brasil. Além disso, vamos participar e contribuir na organização das atividades e atos gerais no dia da greve geral.

Fonte: Intersindical
Texto: Matheus Lobo
Foto: Alexandre Maciel

POST COMMENT

TESTE

Desenvolvido por Lógica Digital

© 2016 Químicos Unificados