News details

Read the full story here

Derrotadas, Shell/Basf assinaram termo de obrigações no TST, em Brasília, hoje (8/4)

 

A Shell Brasil e a Basf S.A. assinaram e assumiram uma série de obrigações junto a seus ex-trabalhadores e à comunidade da região em audiência realizada no Tribunal Superior do Trabalho (TST) em Brasília, na manhã de hoje (08 de abril de 2013). O termo oficial foi também assinado pelo Sindicato Químicos Unificados, Associação dos Trabalhadores expostos a Substâncias Químicas (Atesq – formada pelos ex-trabalhadores Shell/Basf), Ministério Público, pelo ministro-presidente do TST, Carlos Alberto Reis de Paula e pela ministra relatora Delaide Miranda Arantes, que antes da formalização do acordo já havia escrito sua sentença sobre o caso, com 130 páginas.

Trabalhadores, sindicalistas e seus advogados (de frente), os ministros (esq) e representantes das empresas (costas), na audiência hoje no TST, em Brasília
Trabalhadores, sindicalistas e seus advogados (de frente), os ministros (esq) e representantes das empresas (costas), na audiência hoje no TST, em Brasília

Assinar e assumir as obrigações significou a formalização da derrota da Shell e da Basf na luta que contra ela travaram por 12 anos o Unificados e os ex-trabalhadores das duas multinacionais, com a participação de diversas entidades do movimento social, parlamentares e pessoas comprometidas com a defesa da saúde e do meio ambiente, em reação à contaminação ambiental e humana cometida por ambas na planta industrial situada no bairro Recanto dos Pássaros, em Paulínia/SP.

As obrigações

No documento assinado hoje em Brasília pelas partes envolvidas, a Shell/Basf se obrigam a custear todo o tratamento médico, hospitalar e ambulatorial, inclusive com medicação e transporte, de ex-trabalhadores e filhos, além de plano de saúde vitalício.

Está também previsto o pagamento por dano moral individual e coletivo. No coletivo, a importância de R$ 200.000.000,00 que deverá ser revertida a pessoas jurídicas indicadas pelo Ministério Público do Trabalho, após sua prévia aprovação de programa destinado à pesquisa, prevenção e tratamento de trabalhadores vítimas de intoxicação ou adoecimento decorrentes de desastres ambientais, contaminação ambiental, intoxicação aguda ou acidentes de trabalho que envolvam queimaduras, preferencialmente na região metropolitana de Campinas.

Resumo do documento

[download id=”66″] para ler um resumo das principais cláusulas das obrigações assumidas pela Shell/Basf (arquivo em pdf).

Para Antonio de Marco Rasteiro, coordenador da Atesq e ex-trabalhador Shell/Basf, “Foi uma grande conquista em defesa da saúde e da vida dos ex-trabalhadores Shell/Basf, o pricipal foco da ação. Agradecemos a todos que se juntaram a nós nesta luta, mesmo contra a opinião de muitos que diziam que as multinacionais iriam ‘comprar tudo’ e que a causa, embora justa, estava perdida desde o início. E tudo começou com apenas três ex-trabalhadores, persistente e teimosos, que levaram dois anos até que a luta começasse a se concretizar.”

Mauro Bandeira (esq) e Antonio de Marco Rasteiro, coordenadores da Atesq e ex-trabalhadores Shell/Basf, assinam o documento no TST, em Brasília, na manhã de hoje
Mauro Bandeira (esq) e Antonio de Marco Rasteiro, coordenadores da Atesq e ex-trabalhadores Shell/Basf, assinam o documento no TST, em Brasília, na manhã de hoje
Mauro Bandeira, também coordenador da Atesq e ex-trabalhador Shell/Basf diz que agora pode acreditar que a Shell e Basf “batalharam… batalharam… batalharam, mas foram derrotadas.” E conclui “Por mais poderosas que as duas empresas são, a união dos trabalhadores garantiu que o objetivo, a defesa da saúde e da vida, fosse atingido”.

Glória Nozella, dirigente da secretaria de saúde do Sindicato Químicos Unificados, diz sentir-se “aliviada” em saber que a luta está encerrada e que terminou a “imensa batalha” de as vítimas de contaminação terem de provar que estavam com a razão. Ela lamenta a morte de André Luis Diogo, aos 49 anos, ex-trabalhador Shell/Basf, ocorrida na última sexta-feira (dia 05/04), por problemas no fígado relacionados à contaminação.

Valdir de Souza (em pé), Arlei Medeiros e Glória Nozella, dirigentes do Unificados,  participam da assinatura do documento, junto com o advogado Vinícius Cascone (2º à esq)
Valdir de Souza (em pé), Arlei Medeiros e Glória Nozella, dirigentes do Unificados, participam da assinatura do documento, junto com o advogado Vinícius Cascone (2º à esq)
Arlei Medeiros, dirigente da Federação dos Trabalhadores no Ramo Químico do Estado de São Paulo e da Intersindical, afirma que “Entre lutas e lágrimas, hoje a classe trabalhadora teve uma grande vitória. Pela primeira na história do direito do trabalho, assinamos um acordo que envolve quase 1.100 trabalhadores sem a necessidade de provar o nexo causal. A partir de agora, os trabalhadores não vão mais precisar ficar por anos discutindo se a empresa contaminou ou não, o que muitas vezes a pessoa falece antes de se apurar. Este é um acordo histórico e demonstra que a luta vale muito!”

Uma vitória que beneficia a defesa
da saúde de toda classe trabalhadora

Com o acúmulo de provas de que manipulavam, desinformados, substâncias químicas contaminantes e perigosas à saúde, os trabalhadores não tiveram que provar o chamado “nexo causal” entre os sintomas de doenças que apresentam com o trabalho exercido na Shell/Basf. Foi a primeira vez que isso ocorre em tribunais.

Com essa dispensa do “nexo causal”, ficou criado na Justiça trabalhista brasileira um novo paradigma, um novo padrão: A simples exposição do trabalhador a qualquer substância ou produto contaminante já garante a necessidade de acompanhamento de sua saúde, uma responsabilidade que todas as empresas, em qualquer ramo de atividades, terão que assumir.

Em um dos maiores casos trabalhistas,
vitória marcante contra adversários de peso

O ministro-presidente do TST Carlos Alberto Reis de Paula e a ministra relatora Delaide Miranda Arantes
O ministro-presidente do TST Carlos Alberto Reis de Paula e a ministra relatora Delaide Miranda Arantes
Esta ação contra a Shell/Basf é uma das maiores pendências trabalhistas, em valores e em número de envolvidos, na história da Justiça no país, conforme garantiu o ministro do TST João Antonio Dalazen.

Uma vitória dos trabalhadores contra dois gigantes multinacionais, com poder econômico e político superiores ao de muitos países do planeta. E Shell e Basf não economizaram nesta batalha contra os trabalhadores.

Desde o início, ainda em 2002, contrataram peritos que negavam a real dimensão da dimensão. Caso exemplar é o Dr. René Mendes, médico toxicologista contratado pela Shell Brasil como seu consultor nas questões de contaminação de seus ex-trabalhadores. O Dr René Mendes perdeu sua indicação para “reconhecimento internacional de grande técnico a serviço da sociedade global” ao ver recusada sua aceitação como membro vitalício do Collegium Ramazzini, sediado na Itália, após denúncia escrita, “O Dossiê Shell/Basf”, encaminhada pelo Unificados à entidade. O Dr. Mendes está definitivamente excluído de vir a integrar os quadros do Collegium Ramazzini como membro efetivo, pois não haverá uma segunda chance.

As duas multinacionais também contrataram advogados com reconhecimento nacional e internacional, como, por exemplo, os Dallari. Também contrataram como advogados, assessores, consultores e lobistas ex-integrantes de diversos níveis do poder judiciário brasileiro. Entre eles, Almir Pazzianotto, ex-integrante do próprio TST e ex-ministro do Trabalho no governo do presidente José Sarney.

Em Brasília, a derrota final

Ministros, segurando o documento oficial, já assinado, com os trabalhadores, sindicalistas e advogados do Unificados e da Atesq, ao final da sessão no TST
Ministros, segurando o documento oficial, já assinado, com os trabalhadores, sindicalistas e advogados do Unificados e da Atesq, ao final da sessão no TST
De 1974 a 2002, a Shell e a Basf produziram agrotóxicos (pesticidas, venenos) na planta industrial no bairro Recanto dos Pássaros, em Paulínia/SP.

Com o acordo, após uma longa luta de 12 anos, as duas multinacionais finalmente pagarão pelo crime de contaminação por agrotóxicos (pesticidas, venenos), produtos que fabricava, em seus ex-trabalhadores no período de 1974 a 2002 na planta industrial no município de Paulínia/SP. Durante estes 28 anos os trabalhadores nunca foram informados do risco a que estavam expostos e exames médicos periódicos não eram divulgados de forma clara, precisa e objetiva.

Em 2002 o Unificados e os ex-trabalhadores das duas multinacionais entraram com ação na Justiça do Trabalho, em Paulínia.

Elas foram condenadas e sentenciadas pela juíza da 2ª Vara do Trabalho de Paulínia, em agosto de 2010, em 1ª instância.

A Shell e a Basf recorreram então à 2ª instância. E em abril de 2011 o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em Campinas, confirmou a condenação de Paulínia e manteve a sentença.

As duas multinacionais recorreram então à 3ª instância, no Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília. Por meio do ministro João Antonio Dalazen, foram então realizadas três audiências em busca de um acordo, realizadas no próprio TST nos dias 14 e 28 de fevereiro e 5 de março últimos.

 

Ex-trabalhadores Shell/Basf votam e aprovam aceitação de acordo, em assembleia na Regional Campinas do Sindicato Químicos Unificados, dia 08 de março de 2013
Ex-trabalhadores Shell/Basf votam e aprovam aceitação de acordo, em assembleia na Regional Campinas do Sindicato Químicos Unificados, dia 08 de março de 2013

 

No dia 8 de março passado, em assembleia realizada na Regional Campinas do Sindicato Químicos Unificados, os ex-trabalhadores Shell/Basf aprovaram aceitar o acordo encontrado durante as três audiências então realizadas no TST, em Brasília.

História completa

A história completa do crime ambiental Shell/Basf no bairro Recanto dos Pássaros e seus desdobramentos, em ordem cronológica está no site do Unificados: www.quimicosunificados.com.br >>> Crimes Ambientais >>> Caso Shell.

Entrevistas e fotos

Para entrevistas, favor contatar:

• Antonio de Marco Rasteiro – coordenador da Atesq e ex-trabalhador Shell/Basf – (19) 8161.4710

• Mauro Bandeira – coordenador da Atesq e ex-trabalhador Shell/Basf – (19) 9249.6238

• Arlei Medeiros – dirigente do Unificados, da Federação dos Trabalhadores do Ramo Químico (Fetquim) e da Intersindical – (19) 9649.0560

• Glória Nozella – dirigente da secretaria de saúde do Unificados – (19) 9604.7095

 

Para imagens (crédito: Unificados) e apoio

• Edo Cerri – assessoria de imprensa – (19) 9608.8278 – quimicosunificados@quimicosunificados.com.br

• Selma Quinália – assessoria de imprensa – (19) 9797.0195 – imprensacampinas@quimicosunificados.com.br

TESTE

Desenvolvido por Lógica Digital

© 2016 Químicos Unificados