News details

Read the full story here

Ato de campanha salarial paralisa Pólo Petroquímico do ABC

A paralisação dos cerca de 700 trabalhadores, atrasando em uma hora a entrada do turno da manhã desta terça-feira, 20 de outubro, no Pólo Petroquímico de Capuava – região do grande ABC na capital paulista -, marcou o início das negociações da Campanha Salarial 2009 da categoria química.

Manifestação em frente à portaria da Quattor (PQU) ABC (Foto: Dino Santos - 20/10/09)

Manifestaçãoem frente à portaria da Quattor (PQU)
ABC, hoje, no amanhecer (Foto: Dino Santos – 20/10/09)

Promovida pelos sindicatos dos Químicos do ABC, Plásticos e Químicos de São Paulo e Químicos Unificados (Campinas, Osasco e Vinhedo), com a coordenação da Federação dos Trabalhadores do Ramo Químico no Estado de São Paulo (Fetquim), a mobilização ocorreu horas antes da primeira rodada de negociação com o setor patronal, realizada às 10h, na sede da Fetquim, no centro de São Paulo.

Com o apoio de vários sindicatos da região, mais de 200 sindicalistas químicos e de outras categorias ficaram em cinco pontos estratégicos de acesso às principais empresas do Pólo para parar os ônibus que traziam os trabalhadores para o turno da manhã. O protesto contou com muitos carros de som, bexigas, papéis, balões infláveis e até uma banda musical que ficou tocando em frente à entrada da Quattor Petroquímica, durante a paralisação.
 
“Nosso objetivo é pressionar o sindicato patronal das indústrias químicas a atenderem nossas reivindicações da Campanha Salarial 2009, afinal muitas avaliações apontam que as empresas químicas tiveram bom desempenho entre 2006 e 2008 e isso não foi repassado aos trabalhadores”, afirmou o coordenador político da Fetquim e diretor do Sindicato dos Químicos do ABC, Geraldo Melhorine.

 	Passeata dos trabalhadores químicos no Pólo Petroquímico do ABC (Foto: Dino Santos - 20/10/09)

Passeata dos trabalhadores químicos no Pólo Petroquímico
do ABC, hoje pela manhã (Foto: Dino Santos – 20/10/09)

Proposta de reajuste só no dia 30, afirmam patrões

 Logo no início da primeira rodada de negociações hoje pela manhã, os representantes patronais informaram que só discutiriam as cláusulas econômicas no dia 30, devido ao calendário de assembléias empresariais. Assim, os pontos colocados limitaram-se à redução da jornada para 40 horas e à qualificação profissional para pessoas com deficiência, que sinaliza para uma proposta de consenso entre as partes.

 Já a redução da jornada foi categoricamente negada pela patronal, sob o argumento econômico de que os doze segmentos do ramo químico não têm condições de absorver o aumento nos custos gerado pela redução para 40 horas. O que foi entendido como uma contradição pelos sindicalistas, pois a Confederação Nacional de Indústria (CNI) divulgou posição defendendo de que o tema deveria ser objeto das negociações coletivas e não de projeto-lei, como o que tramita no Congresso Nacional por iniciativa das centrais sindicais.
 
A próxima rodada de negociações está agendada para o dia 30 de outubro, também em São Paulo.

Campanha Salarial Unificada 2009

Com data-base em 1º de novembro, este ano apenas as cláusulas econômicas, a jornada de trabalho e a cláusula de portadores de deficiência serão negociadas, pois os demais itens da Convenção Coletiva da categoria química têm vigência de dois anos. As reivindicações dos(as) trabalhadores(as) são:

– Reajuste de 10% (INPC + 5,94% de aumento real);

– Piso salarial de R$ 900,00;

– Participação nos Lucros e Resultados (PLR) no valor de dois salários normativos (piso);

– Redução da jornada para 40 horas semanais sem redução de salário; e

– processo de qualificação profissional para pessoas com deficiência.


Gislene Madarazo
Assessoria de Imprensa – Químicos do ABC

TESTE

Desenvolvido por Lógica Digital

© 2016 Químicos Unificados

Químicos Unificados

Veja todos

Fale conosco