News details

Read the full story here
(FILES) In this file photo taken on August 15, 2020 smoke rises from an illegally lit fire in Amazon rainforest reserve, south of Novo Progresso, Para state, Brazil. - Brazil will not be able to accomplish the goal of reducing deforestation in the Amazon in a 10% in the period between August, 2020 and July, 2021, admitted on August 2, 2021 Brazilian Vice-President Hamilton Mourao, chief of the National Council of Legal Amazon (CNML). (Photo by CARL DE SOUZA / AFP)

Amazônia em destruição

Além do número de desmatamento ser o pior dos últimos 15 anos, o garimpo ilegal está acabando com o meio ambiente

Sob o governo Bolsonaro, a Amazônia está em destruição. Se não bastasse o aumento absurdo do desmatamento, um verdadeiro “condomínio de dragas de mineração” mostra o avanço dos garimpos ilegais nos rios da Amazônia, que se intensificou desde a eleição de Bolsonaro, em 2018. Isso porque o atual governo apoia os garimpeiros selvagens que navegam nos rios e nas florestas tropicais da Amazônia em busca de ouro.

Essa destruição só cresce sob o governo Bolsonaro, que reduziu a fiscalização ambiental e faz discursos e ações governamentais que claramente facilitam a atividade para “esquentar” o ouro ilegal. LEIA reportagem especial da Amazônia Real em conjunto com o Repórter Brasil, que investigou por 4 meses e analisou mais de 5 mil páginas de documentos para traçar o problema do garimpo ilegal e que devasta a maior terra indígena do Brasil.

Descontrole de incêndios
Além do incentivo à mineração ilegal, o fogo no Brasil está sendo usado como arma para o avanço da grilagem de terras e a expulsão de comunidades de seus territórios, provocando impactos ambientais, tais como seca e desmatamento.

Tudo isso apoiado pelo governo Bolsonaro, que estimula atividades que provocam a devastação ilegal, desmontou estruturas de fiscalização, reduziu a aplicação de multas ambientais e sempre agiu para acobertar os crimes cometidos nas florestas.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou na última semana a taxa de desmatamento registrada na Amazônia entre 1 de agosto de 2020 e 31 de julho de 2021. Foram 13.235 quilômetros quadrados de floresta desaparecidos. A última vez em que o bioma foi tão afetado foi em 2006, quando as medições apontaram 14.286 quilômetros quadrados de área desmatada. LEIA mais no portal Brasil de Fato.

POST COMMENT

TESTE

Desenvolvido por Lógica Digital

© 2016 Químicos Unificados

Químicos Unificados

Veja todos

Fale conosco