News details

Read the full story here

PSDB ordena desocupação violenta no Pinheirinho, em SJC. Veja fotos e vídeo

 

Domingo, 22 de janeiro de 2012. Esta data vai entrar para a história do Estado de São Paulo como o dia em que 2 mil homens da Polícia Militar invadiram a Ocupação Pinheirinho, em São José dos Campos, para desalojar nove mil moradores.

Homens, mulheres, crianças e idosos foram surpreendidos, no final da madrugada, com helicópteros sobrevoando a área e jogando gás lacrimogêneo sobre a Ocupação. Carros blindados e homens armados cercaram o Pinheirinho e não deram chance de defesa aos moradores.

A ordem era que todos se recolhessem para dar início à retirada. Água, energia elétrica e telefone foram cortados e todas as saídas da Ocupação foram interditadas. Era a
formação de uma área sitiada. Durante todo o dia, houve confronto entre moradores da ocupação, bairros vizinhos e policiais. O morador David Washington Castor Furtado, 32 anos, foi baleado pela Guarda Municipal e corre o risco de ficar paraplégico.

ACESSE AQUI para assistir vídeo da ação policial.

Outras pessoas também ficaram feridas, inclusive crianças, em razão da truculência com que agiu a Polícia Militar e a Guarda Municipal.

Truculência


Apesar dos moradores terem se preparado nos últimos dias para resistir à desocupação, pouco pôde ser feito diante da violência e forte efetivo da Polícia Militar. É o resultado
da truculência e operação de guerra montada pelo governo de Geraldo Alckmin e do prefeito Eduardo Cury.

Tratores enviados pela prefeitura destruíram a Capela Madre Tereza de Calcutá, construída pelos moradores com ajuda da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Também foi destruído o barracão onde aconteciam as assembleias, festas e reuniões dos moradores. O objetivo final é a demolição das mais de duas mil casas erguidas pelo povo, sem qualquer ajuda do Estado.

Vizinhos também se rebelam

A população de bairros vizinhos ao Pinheirinho também se revoltaram contra a invasão da PM à ocupação e entraram em enfrentamento contra os soldados e a Guarda Municipal.

O alambrado que cerca o Centro Poliesportivo do Campo dos Alemães, preparado para abrigar os moradores após a reintegração de posse, foi derrubado.

Moradores dos bairros Residencial União e Campo dos Alemães, vizinhos ao Pinheirinho, se rebelaram atirando pedras contra soldados. Revoltada, a população também incendiou veículos.

Prefeito Cury e governador Alckmin, ambos do PSDB, violam lei
e jogam famílias na rua para beneficiar especulador Naji Nahas

A ação da Polícia Militar na Ocupação Pinheirinho é o retrato da irresponsabilidade, truculência e covardia dos governos Geraldo Alckmin (PSDB) e do prefeito de São José dos Campos, Eduardo Cury (PSDB).

A ação deste domingo pegou a todos de surpresa. Afinal, nos últimos dias avançavam as negociações para adiar a desocupação e para a regularização da área.

Fora da lei

Alckmin, Cury e a juíza Márcia Loureiro, que expediu a liminar para o despejo, agiram contra tudo e todos. Literalmente, fora da lei.

Primeiramente, a desocupação descumpriu um acordo judicial onde a própria Selecta, dona do terreno, aceitou a suspensão do despejo por 15 dias. Além disso, também desacatou decisões da Justiça Federal que mandou suspender a reintegração de posse.

Ao contrário de todos os esforços para evitar a injustiça de jogar milhares de famílias na rua, Alckmin e Cury optaram por passar por cima das próprias leis do país e agir com violência e repressão. Para isso, fizeram um operativo de guerra contra os moradores do
Pinheirinho e dos bairros vizinhos.

Omissão por 8 anos

Por oito anos, os governos do PSDB, seja com o prefeito Emanuel Fernandes ou Cury, trataram o Pinheirinho com descaso e nunca se preocuparam em resolver a situação.

Agora, depois das famílias terem construído suas vidas no local, apostam na radicalização.

O Pinheirinho é resultado da falta de uma política habitacional da Prefeitura do PSDB.
Esse mesmo descaso penaliza outras 26 mil pessoas que estão na fila por uma moradia. A expulsão das famílias do Pinheirinho só vai agravar essa situação.

O fato é que por trás dessa decisão de desocupação a ferro e fogo está a pressão de grupos econômicos poderosos e gananciosos. Basta ver que o proprietário da massa falida da Selecta, dona do terreno, é o megaespeculador Naji Nahas, famoso por aplicar golpes milionários e condenado por lavagem de dinheiro e corrupção.

Por trás dessa desocupação também estão os interesses do setor imobiliário da cidade e das grandes construtoras que pretendem lucrar milhões com o terreno após a expulsão das famílias.


Ou seja, Alckmin, Cury e a juíza, mesmo passando por cima da lei, decidiram expulsar de suas casas cerca de 9 mil pessoas, a maioria mulheres, crianças e idosos, para beneficiar um punhado de poderosos.

Fonte: Jornal de apoio aos moradores do Pinheirinho – Informativo da Comissão de Sindicatos e Movimentos Sociais de São José dos Campos e Região.

 

Protestos em São Paulo e em Campinas

A truculenta ação policial no Pinheirinho provocou atos de protestos em diversas cidades do país, inclusive em São Paulo e em Campinas. O ato em São Paulo, na praça da Sé, também condenou o tratamento como caso de polícia a área conhecida como Cracolândia, quando, na verdade, trata-se de uma questão social. O Sindicato Químicos Unificados, a Intersindical e o Psol participaram dos dois movimentos.

Em São Paulo

Enquanto lojas, fábricas e outros estabelecimentos comerciais estavam fechados por conta da comemoração do aniversário da cidade de São Paulo, no dia 25 de janeiro, aproximadamente 1 mil pessoas realizavam um ato na praça da Sé.

Os manifestantes abraçaram a Catedral da Sé, onde era realizada uma missa em homenagem à Capital, e contava com a presença de políticos, entre eles o prefeito da cidade, Gilberto Kassab.

O prefeito Gilberto Kassab negou-se a conversar com os manifestantes e tentou sair pelas portas do fundo da Catedral. Um princípio de confusão teve início entre a Guarda Civil Metropolitana e os manifestantes, e a Tropa de Choque foi chamada.

Os manifestantes foram agredidos pela polícia, e viram o prefeito Gilberto Kassab fugir pelos fundos, escoltado por seguranças, sem ao menos conversar com os manifestantes e explicar suas ações.

A manifestação se encerrou com uma caminhada entre a Praça da Sé e a Praça da Luz, localizada na região da Cracolândia.

 

Em Campinas

O protesto em Campinas teve como atividade principal uma passeata de aproximadamente 500 pessoas pelas principais ruas do centro da cidade. As fotos abaixo são de autoria de João Zinclar.

TESTE

Desenvolvido por Lógica Digital

© 2016 Químicos Unificados

Químicos Unificados

Veja todos

Fale conosco