News details

Read the full story here
lerdort-post

28 DE FEVEREIRO – DIA MUNDIAL CONTRA LER/DORT – ALERTA CONTRA RITMO ACELERADO DE PRODUÇÃO

A LER/DORT continua sendo um dos graves problemas de saúde do trabalhador no Brasil e no mundo, mesmo em tempos de pandemia. Pois em muitas atividades econômicas como o setor Farmacêutico, o setor de embalagens plásticas para alimentos e medicamentos em geral estão em ritmo acelerado, que provocam a LER/DORT.

Recordamos que as vendas no setor farmacêutico, de plásticos de embalagens tem crescido muito e batido recordes na produção em tempos de crise sanitária, segundo dados da Subseção do Dieese da Fetquim/CNQ/CUT. Tudo isso impacta na saúde dos trabalhadores, e esse impacto está aliado aos riscos dos acidentes por trauma, cortes, além de movimentos repetitivos e esforços demasiados no serviço braçal por exemplo, que afetam com muita dor mãos, braços, pernas e coluna, que está em segundo lugar na acidentalidade hoje no Brasil. Em terceiro lugar vem os afastamentos por transtornos e sofrimentos mentais , principalmente depressão, medo da pandemia, estresse, que são agravados quando estão associados aos problemas de LER/DORT.

Um número que preocupa, segundo a assessoria de saúde e previdência da Fetquim, é o número elevado da cobrança do seguro acidente de Trabalho, no setor plástico, que vai de 3 a 6%, do Fator Acidentário de Prevenção (FAP) devido o dobro da gravidade e número de acidentes por empresa. No Brasil essa elevada cobrança do FAP atinge 1.938 empresas do setor plástico, sendo que metade delas estão no Estado de São Paulo, e a indústria de embalagens tem um peso preponderante nisso. Os números de acidentes típicos (contusões, cortes) e LER/DORT tem um peso significativo neste cálculo de cobrança do FAP. No caso de acidentalidade normal essa cobrança deveria ser no máximo de 3% e está em dobro em centenas de empresas.

Para Airton Cano, Coordenador da Fetquim-CUT, “As campanhas de prevenção neste tempo de crise sanitária deverão sempre ser ampliadas com formação `contínua dos trabalhadores, e as reuniões da CIPA via meios eletrônicos devem continuar nas empresas. Segundo a assessoria de Saúde e Previdência da Fetquim continuamos a ter ainda uma forte cobrança do Seguro Acidente, via Fator Acidentário de Prevenção (FAP), por causa dos acidentes típicos como contusões e de LER/DORT no setor plástico. Até o momento, a patronal química, não tem renovado o acordo de prevenção das injetoras do setor plástico. Portanto, nossa mobilização e denúncias devem continuar!”.

Para André Alves, Secretário de Saúde da Fetquim e dirigente do Sindicato Químicos Unificados, “A nossa atenção deve estar dirigida para o setor de embalagens, pois a principal causa da LER/DORT decorre a pressão existente na produção. Vários trabalhadores estão sofrendo dores intensas devido esse ritmo intenso de produção nestas empresas. E aí os serviços de saúde das empresas entulham os trabalhadores com remédios para dor, quando deveria ter fisioterapia, afastamento preventivo e diminuir o ritmo de produção e contratação de novos trabalhadores. Infelizmente trabalhadores são afastados com dor intensa sem que as empresas façam a Comunicação de Acidentes do Trabalho (CAT), e o trabalhador fica na fila do INSS sem direito aos benefícios acidentários. As novas tecnologias, principalmente a Indústria 4.0, mantém o ritmo acelerado de produção continuando promover LER/DORT. Importante que os trabalhadores busquem informações junto ao Sindicato e os Diretores para receber orientações e cobrar ações preventivas das empresas. É fundamental que tenhamos mecanismos de defesa que diminuam esse ritmo infernal e diminua o trabalho braçal provocador de LER/DORT.!”

Fonte: Fetquim

POST COMMENT

TESTE

Desenvolvido por Lógica Digital

© 2016 Químicos Unificados

Químicos Unificados

Veja todos

Fale conosco